domingo, dezembro 16, 2007

Está realmente mais fácil desenvolver software?

Apesar de não ser muito velho, eu tive a oportunidade de escrever alguns programinhas em linguagens procedurais como o Cobol e Clipper. Para fazer esses programinhas, que ainda vemos em padarias e farmácias, eu não usava mais que um Edit do MS-DOS, um compilador e um link editor.

Eu escrevia as dezenas de .PRGs, não tinha que saber nada além da linguagem e quando queria "abusar" um pouquinho, usava no máximo uma biblioteca gráfica chamada CLBC.

Bons tempos! Eu era feliz e não sabia!

Há duas semanas, eu participei do TechEd 2007, um evento fantástico, muita coisa nova, mas uma afirmação que vi em várias palestras me fez para para pensar um instante. Está realmente mais fácil desenvolver softwares?

Antes mesmo de escrever uma linha de código, eu tenho que ler caso de uso, entender o diagrama de classes, ver o comportamento dinâmico através do diagrama de sequência, analisar o MER, dar uma passada pelo documento de requisitos não funcionais e ver o que vai se aplicar ao caso de uso que irei desenvolver, planejar testes unitários, só para citar alguns.

E na hora de codificar, o que irei usar? Silverlight, WPF, ASP.NET Ajax, ADO Entity Framework, LINQ, WCF, WF, ASP.NET MVC, .NET Framework 3.5, SQL 2008, DSL. Isso listando apenas tecnologias Microsoft. Se abrirmos o leque para outras empresas ou open source, a coisa fica ainda pior (ou melhor?).

O que mais chama a atenção disso tudo, é que são produtos / tecnologias que não possuem mais que dois anos de vida, sem contar que algumas nem foram lançadas oficialmente. E o VB6, DAO, RDO, ADO, ActiveX, ASP 3, DTS, COM+, Remoting, ASP.NET WebServices que eu usava até algum tempo atrás?

Tenho notado que a cada 2 anos em média, eu tenho que reaprender a fazer software para não ficar desatualizado. E nem sempre você tem a possibilidade de se tornar especialista num produto / tecnologia para utilizá-lo, ou seja, você acaba perdendo muito tempo em erros bobos que acabam consumindo todo o tempo que você "ganharia" utilizando a nova tecnologia.

É, a cada dois anos eu aprendo um monte de tecnologias novas para resolver problemas que as tecnologias do passado diziam que resolveria :-)..

Concluindo, se está mais fácil desenvolver eu não sei, quando eu usava Clipper eu não tinha toda a integração e necessidades que temos hoje, mas que está cada vez mais complicado acompanhar essa evolução tecnológica, está!!! Sabe o que é pior? EU ADORO ISSO!!!

Viva a tecnologia :-p

Abraços
André Dias

Um comentário:

Patricia Mantovani disse...

Pois é, André, concordo com você em todos os comentários - costumo falar sobre isso com meus clientes às vezes...

Só acrescentaria mais dois: na época do Clipper você se preocupava com segurança ou seu universo operacional era auto-contido? Naquela época, quando começaram a surgir os vírus, o maior risco era um vírus mal-intencionado "formatar" o seu disco. Hoje os dados dos seus clientes (ou pior, o dinheiro deles) pode ir pelos ares. :-O !!

Mais uma: e INTEROPERABILIDADE? Era uma preocupação na época do seu programinha Clipper??? ;-) Pois é, parece que fizemos a mesma escola ...

Abraço,
Patricia